CURIOSIDADES DO LOCAL

A QUINTA


      Quinta Da Foz Dos Castelhanos Hotel fica situado em Barrosselas e é um dos melhores hotéis para a sua estadia na cidade.

Adornada por extensos vinhedos, a Quinta da Foz dos Castelhanos é um postal ilustrado no coração do verde Minho. Há quanto tempo não segue o encalço da natureza? As robustas paredes de pedra e artefactos de lavoura, como a dorna ou o tanque, vincam-lhe a traça original que remonta ao século XIX. O ambiente familiar, pleno de conforto, faz com que seja recebido como se estivesse em casa. No exterior, muitas são as actividades para se entreter.

Quem não quiser acompanhar a jornada agrícola, pode dedicar-se ao «dolce fare niente», deleitando-se com a bucólica paisagem que se oferece: a piscina, as vinhas, os riachos. Com o Gerês a dar o ar de sua graça, impõe-se um passeio a pé ou a galope. À noite, acompanhe a descida das estrelas sobre a quinta e deixe-se embalar pela brisa fresca que adormece.



HISTÓRIA

Quinta conhecida, pelos naturais, como Quinta da Foz, já existe, pelo menos, desde 1800, na altura constituída por terrenos de cultivo e respectiva morada, que era a casa velha. Nessa casa morava o proprietário com o apelido de Miranda, a quem chamavam “Manuel da Foz”.

Em 1835, foi viver para a casa do Manuel da Foz, Maria da Costa Pereira, que deveria ser sua parente afastada. Esta viria a casar com Manuel Gomes,chamado de “Castelhano” por ser descendente de um natural do Reino de Castela, em Espanha, chegado a Portugal em meados do século XVII.

Deste casamento nasceram seis filhos, um dos quais, Manuel Gomes da Costa Pereira que emigrou, ainda novo, para o Brasil. À morte dos pais, Manuel herdou a Quinta e foi ele que com o dinheiro que ganhava no Brasil que mandou construir a actual casa apalaçada, considerada, hoje, como a casa principal da Quinta dos Castelhanos.

As obras foram administradas pelo irmão, o Padre António Gomes da Costa Pereira e decorreram entre 1885 e 1895. A arquitectura da casa, com escadaria e relevos de cantaria barroca, insere-se no típico “Solar de Brasileiro”, do século XIX, muito frequente no Minho.  

Mário e Maria, dois dos cinco filhos de Manuel, viveram na antiga Quinta da Foz, hoje Quinta dos Castelhanos, e foram os herdeiros destes que a venderam a Roberto Jaques, pai do actual proprietário, Manuel Jaques. Este, movido por um  espírito empreendedor, sendo um amante da natureza, da vida rural e um apaixonado pelas suas origens, decide reconverter a Quinta num espaço de turismo rural com altos níveis de qualidade, oferecendo ao turista um convívio estreito com a natureza, num ambiente familiar, repleto de conforto, perfeito para os melhores momentos de felicidade e repouso.